Produção da soja mato-grossense ganha reconhecimento de sustentabilidade da União Europeia

Assessoria Aprosoja
Assessoria Aprosoja

 

Os trabalhos desenvolvidos nas lavouras de soja em Mato Grosso ganharam reconhecimento da União Europeia. Um memorando foi assinado em Lisboa, Portugal, considerando o programa Soja Plus como o caminho mais adequado para a conquista do reconhecimento de que a soja mato-grossense é sustentável, segundo diretrizes da Federação Europeia dos Fabricantes de Rações (Fefac).

O documento foi assinado no último dia 19 de janeiro pela Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja), a Associação Brasileira de Indústria de Óleos Vegetais (Abiove), a Federação Europeia dos Fabricantes de Rações (Fefac), a Federação Europeia de Óleo Vegetal e Proteínas (Fediol) e a Iniciativa para Comércio Sustentável (IDH).

O programa Soja Plus é desenvolvido em Mato Grosso desde 2011 através de parceria entre a Aprosoja e a Abiove. O programa inclusive ganhou adesão de outros Estados, como Mato Grosso do Sul, Bahia e Minas Gerais. O Soja Plus tem por finalidade a melhoria contínua das condições sociais, de trabalho e ambiental nas fazendas produtoras de soja.

Hoje, em Mato Grosso 1.084 agricultores participam do programa e a expectativa é que chegue a 1.300 produtores em 2017.

A Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT) afirma que a assinatura do Memorando de Entendimento “é o reconhecimento internacional do Soja Plus como um programa de soja sustentável”.

“Com a assinatura, o Soja Plus passa a ser reconhecido com um programa de produção sustentável, ou seja, é o passaporte da soja brasileira para o mercado europeu. Assim como foi com a China, a concretização deste memorando é um momento histórico para a entidade e também a confirmação de um trabalho árduo que fazemos cotidianamente em campo”, pontua o presidente da Aprosoja-MT, Endrigo Dalcin.

O presidente da Fediol, Henri Rieux, salienta que o “ponto forte desse acordo é que empresas importantes estão se comprometendo com uma abordagem em cadeia para lidar com a questão da produção sustentável de soja no Brasil e a aceitação desses produtos na Europa. Estamos confiantes de que esse diálogo aprimorado terá um impacto positivo e nos permitirá atender melhor às necessidades das partes interessadas na Europa”.

Já o presidente da Fefac, Ruud Tijssens, afirma que “Com este acordo, podemos apoiar proativamente avanços de agricultura sustentável no nível das fazendas de soja no Brasil e nos aproximar mais de uma transição de mercado convencional do fornecimento físico responsável de soja para a Europa”.

 

olhardireto

Post Author: tvmutum